Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Artigos
O Conceito Tanaico de "Mal"

Creio que alguns estão pensando: “Precisamos estudar a respeito do mal?”. Sim! E é fundamental entendermos a respeito deste conceito para conseguirmos entender a passagem abaixo:

"Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, YHWH, faço todas estas coisas."
Yesha’yãhu/Isaías 45.7

A primeira pergunta que deveríamos fazer é: “O que significa mal?”. Será que o que pensamos ser “mal” é aquilo que os escritores bíblicos também pensavam?

Definição

Hoje quando uma pessoa abre sua Bíblia para ler e ela vê a palavra “mal”, o que passa pela cabeça desta pessoa é: “Maligno” ou “devassidão”. Porém, para os escritores bíblicos, a palavra “mal” tem outro significado e conforme a concordância Strong רָע (rã’) significa “adversidade”.

O conceito de mal conforme o pensamento ocidental está mais relacionado ao Maligno, que é algo puramente mal, e todo mal provém deste, jamais associando coisas más a outras fontes. Porém, vamos analisar no Tanakh que o conceito semita não compreendia desta forma.

Analisando o Tanakh

A primeira passagem que vamos analisar é uma ação que vem de YHWH. A palavra rã’ que foi traduzido como ‘maligno’, tem uma ideia de dano, pois a doença é um dano a saúde, e os danos e prejuízos eram expressos pela palavra rã’.

"YHWH te ferirá com úlceras [רָ֗ע - rã’] malignas nos joelhos e nas pernas, de que não possas sarar, desde a planta do teu pé até ao alto da cabeça."
Devãrim/Deuteronômio 28.35

Abrindo um parêntesis, muitas pessoas atribuem doenças aos demônios, reconhecendo autoridade, poder e força a estes, porém a Torãh nos mostra o contrário, esta doença vem de YHWH e devemos reconhecer que é uma doença bastante feia e é um mal a saúde da pessoa que a contrai.

Além deste dano físico, também temos outras aplicações deste conceito. Todos sabem o quanto pode ser nocivo um boato falso, uma mentira ou uma fofoca. Por conta de falsos boatos, pessoas já perderam a vida, ou em casos menos trágicos, perderam emprego, casamento, etc. Portanto, o ato de divulgar um falso boato é em si um ato danoso, pois traz dano a alguém.

"E lhe imputar coisas escandalosas, e contra ela divulgar má [רָ֑ע - rã’] fama, dizendo: Tomei esta mulher, e me cheguei a ela, porém não a achei virgem;"
Devãrim/Deuteronômio 22.14

A ideia expressa não é a de um ato perverso, mas sim, a de um ato que traz dano a uma mulher.

Outro caso curioso do qual podemos analisar sobre os boatos é este abaixo:

"Para isto o subornaram, para me atemorizar, e para que assim fizesse, e pecasse, para que tivessem alguma causa para me infamarem [רָ֔ע - rã’], e assim me vituperarem."
Neemias 6.13

Neste caso em específico, não se trata de um falso boato, mas se trata de uma trama para causar um ato digno de reprovação e assim trazer acusações, não que estas fossem falsas, mas acusações a respeito de um ato ruim que o mesmo foi induzido a cometer.

Ainda abordando sobre o ato de falar, temos outro caso curioso onde rã’ está ainda menos associado à ideia de maldade.

"Então responderam Labão e Betuel, e disseram: De YHWH procedeu este negócio; não podemos falar-te mal [רַ֥ע - ra’] ou bem."
Bereshith/Gênesis 24.50

Falar mal ou bem significa falar negativamente ou positivamente. Em nada tem a ver com maldade ou perversidade, mas apenas tem a ver com dar uma resposta contrária as expectativas.

Agora vamos analisar um caso ainda mais curioso, pois a palavra rã’ não está associada a uma ação, mas simplesmente a um problema genético.

"Porém, havendo nele algum defeito, se for coxo, ou cego, ou tiver qualquer defeito [רָ֑ע - rã’], não o sacrificarás à YHWH Elohekhã."
Devãrim/Deuteronômio 15.21

A palavra rã’ aqui expressa um defeito físico e em nada está associado a coisas malignas. Aqui temos apenas uma ideia de um dano genético no animal.

Na passagem abaixo veremos uma conversa entre Lãvãn e Ya’aqov (Labão e Jacó), do qual Lãvãn correu atrás de Ya’aqov revoltado pelo mesmo ter ido as escondidas e ainda ter seus ídolos que foram furtados por Rãchel (Raquel) sem que ninguém soubesse.

"Poder havia em minha mão para vos fazer mal [רָ֑ע – rã’], mas o Elohê de vosso pai me falou ontem à noite, dizendo: Guarda-te, que não fales com Ya’aqov/Jacó nem bem nem mal [רָֽע - rã’]."
Bereshith/Gênesis 31.29

Aqui nós temos duas ocorrências de rã’, onde a segunda tem o mesmo sentido já analisado, do qual rá’ está expressando uma fala de forma negativa. Já a primeira ocorrência tem um significado distinto da segunda, e esta expressa uma ideia de dano conforme já vimos. Lãvãn tinha em suas mãos poder para dar caça à Ya’aqov e inclusive mata-lo caso fosse necessário, e esta é a ideia de rã’, é a ideia do dano ao qual Ya’aqov estava suscetível.

No pãssuq (versículo) abaixo vemos ainda um caso mais interessante onde a palavra rã’ tem um sentido distinto do que vimos até agora, mas certamente está associado.

"E entravam em suas entranhas, mas não se conhecia que houvessem entrado; porque o seu parecer era feio [רַ֔ע - ra’] como no princípio. Então acordei."
Bereshit/Gênesis 41.21

Rã’ aqui foi traduzido como “feio”, e esta tradução não está incorreta, mas o que o texto traz é que estas vacas tinham um aspecto feio devido a sua aparência debilitada e danificada.

Além de rã’ ser usado para descrever a aparência, ela ainda poderia ser utilizada para descrever um estado de ânimo conforme abaixo.

"Sucedeu, pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu peguei o vinho e o dei ao rei; porém eu nunca estivera triste[רַ֖ע – ra’] diante dele."
Nechemyãh/Neemias 2:1

Desta vez rã’ descreve uma pessoa que se encontra abatida e por isso rã’ foi traduzido como “triste”, pois afinal, quem está triste, assim está devido as adversidades da vida, e estas mesmas adversidades fazem com que a pessoa fique com aspecto abatido e desanimado.

Por fim, vamos analisar rã’ como um adjetivo para os homens.

"Então todos os maus [רָ֗ע - rã’] e perversos, dentre os homens que tinham ido com Dãwidth, responderam, e disseram: Visto que não foram conosco, não lhes daremos do despojo que libertamos; mas que leve cada um sua mulher e seus filhos, e se vá."
Shemu'el ãleph/1 Samuel 30.22

Os homens maus são os homens que causam danos aos demais. Neste caso, existe ainda uma ênfase que foi dada com o uso da palavra “perversos” para acentuar que são homens que agem sem pudor ou moral.

Revelando a idolatria

Como vimos no início do artigo, o pãssuq (versículo) de Yesha’yãhu traz muitas dúvidas em muitas pessoas e com estas dúvidas as mais diversas interpretações. Mas devemos nos aprofundar melhor no pensamento daqueles que escreveram as escrituras para compreendê-las. E agora que já nos aprofundamos, podemos entender com mais clareza o que o Profeta quis dizer com o pãssuq (versículo) abaixo:

"Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal [rã’ - רָ֑ע]; eu, YHWH, faço todas estas coisas."
Yesha’yãhu/Isaías 45.7

As palavras “trevas” e “mal” estão diretamente ligadas à figura de um ser maligno conforme o pensamento ocidental, mas não é bem isso o que o pensamento semita trazia. O Profeta fala sem nenhum medo de errar, que YHWH cria as trevas e que Ele também cria o mal.

O mal que o Profeta está falando é o dano, o prejuízo, a adversidade. E com isso podemos afirmar que YHWH é mal? De forma alguma! Como foi mostrado, existem várias formas de aplicar a palavra mal, e este mal é o meio do qual YHWH utiliza para o bem final. Como por exemplo, a doença que Ele mesmo suscita na pessoa como um castigo. E qual é a finalidade do castigo? É a correção!

Além do mal diretamente causado, existe o indireto, que são consequências dos atos naturais. Vou dar um exemplo disto: Quando cai um raio sobre uma casa e lá tudo se incendeia e tudo se perde. Isto significa que os residentes daquela casa eram pecadores? Não exatamente! Apenas ocorreu uma simples causa natural, mas que para aquelas pessoas aquilo foi um mal, um dano, um prejuízo, etc.

A questão é que para as pessoas é algo muito difícil de compreender o porquê que elas estão sofrendo tais adversidades. As pessoas sempre querem entender o porquê de cada coisa e por isso, na antiguidade, as pessoas começaram a separar as divindades, criando deuses bons e deuses maus. Logo, os deuses bons faziam tudo aquilo que era bom, e os deuses maus faziam tudo o que era mal. Isso foi mudando com o tempo, e as divindades que eram más, com o tempo passaram a ser sub-divindades e foram chamadas de demônios. Antes as divindades más eram adoradas, mas mesmo com cultos e adorações, coisas ruins continuavam acontecendo. Devido a isto, os povos rebaixaram as divindades más a sub-divindades e ao invés de adora-las, rejeitaram-nas. Rebaixar uma divindade má em sub-divindade foi uma ótima ideia para tais povos, pois isto traz um conforto para tais pessoas, uma vez que as sub-divindades não são tão poderosas quanto as divindades, dando a sensação de proteção e amparo por parte das divindades boas. Isto fez com que as divindades boas fossem ainda mais adoradas e as sub-divindades más (demônios) acabaram sendo o bode expiatório para tudo aquilo que ocorria de ruim.

Porém, YHWH diz através de seu profeta, que não existem sub-divindades ruins, mas que Ele é a fonte de todas as coisas. Aquilo que é bom, Ele o fez! E aquilo que é mal, Ele também o fez para a correção daqueles que o desobedecem. E este é o monoteísmo absoluto, pois é acreditar que somente YHWH é, e que não há divindades ou sub-divindades além Dele!

Conclusão

Podemos ver claramente que conforme o Tanakh, o conceito de “mal” era bem diferente daquilo que compreendemos hoje. Percebemos que a ideia de “mal” conforme as Escrituras é algo que está relacionado ao comportamento humano ou adversidades e em nada tem relação com seres malignos.

Vamos fazer um breve resumão em tópicos do que vimos:

  • Um castigo vindo de YHWH, para a correção dos Seus;
  • Boatos, mentiras e falsas acusações;
  • Ato intencional de prejuízo ao próximo;
  • Adjetivo que descreve pessoas com comportamento fora dos mandamentos;

Conforme podemos ver, a cultura ocidental atual está completamente envolta em idolatria, repleta de sub-divindades pelas quais as religiões são completamente dependentes e através destas, o foco que era pra ser YHWH se torna estas sub-divindades criadas pelas religiões.

Material produzido por: Edenyah ben Adam
Conecte-se conosco no Facebook
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Twitter
Se inscreva em nosso Canal
Nação Sacerdotal Yeshua Melekh
Proibida a reprodução sem o consentimento dos responsáveis